sábado, 27 de setembro de 2014

Rota das Lavanda na Provence - Parte 3


Mais uma vez pegamos a estrada em direção a Valensole e Moustiers de Sainte- Marie. Estamos voltando a Valensole porque planejamos de ir à "Festa da Lavanda", e Valensole era a única cidade que íria ter a festa, nos dias que estaríamos na Provence.




                                                                      Adoramos esse retorno a Valensole
                                           Os girassóis estavam em sua plenitude. As abelhas sempre presentes.
Quando você for ver os campos, não deixe de levar um chapéu, além do sol quente que vai te proteger. Ele também é um ótimo companheiro para bonitas fotos. 
                                                                                            O Rei do sol
                           Um convite a você, venha conhecer essa maravilha.Tudo é muito belo !!!
Campos gigantes fazem um verdadeiro "Mar lilás". Além das lavandas existem árvores, campos de trigo e campos de girassóis, criando uma composição perfeita. As lavandas começam a florescer na metade de junho e são colhidas até o início de agosto.

          La lavande, une immersion entre couleurs et senteurs.
Feche os olhos, respire ... Você está na Provence! Campos de Provence lavandas em flor.

Vivemos em um tempo em que estados de ansiedade, medos e depressão estão presentes no dia a dia. O óleo de lavanda, entre outras coisas, possui propriedades calmantes, sedativas e analgésicas. É considerado, dentro da Aromaterapia, o coringa dos óleos essenciais. Além disso, é o número Um no combate ao estresse e às tensões nervosas. Junto a exercícios respiratórios, orações de aquietamento e textos iluminadores. A lavanda como caminho pretende nos tornar mais tranquilos, para podermos olhar dentro de nós mesmos e enxergar que existe um jardim acolhedor que necessita de tempo e dedicação para que a semente possa germinar e floresce.
                  Percorrendo pela estrada, avistamos mais campos de lavandas, até chegar à Valensole.
               Percorrendo pela estrada, avistamos mais campos de girassóis, até chegar à Valensole.

Viajar é algo que tem feito de mim quem sou, e me faz lembrar de como sempre me sinto ao viver diversas experiências longe de casa. Viagens são e acho que sempre serão prioridades pra mim, porque viajar nos, reconecta com o fluxo do universo, ao nos fazer sentir vivos, vibrantes, curiosos, interessados, surpresos, gratos, humildes, como deveríamos ser em todos os momentos de nossas vidas. 
Deixamos nosso carro na estrada, pois os carros não podem entrar na cidade em dia de festa, só os moradores. Tem um estacionamento um pouco antes de chegar em Valensole. Caminhamos a pé conhecendo um pouco os arredores da cidade. Pessoas do mundo todo estiveram por aqui nesse dia.
                                                    Uma pequena praçinha com uma fonte, no centro da cidade.
                                       Sachês. bonequinhas com perfume de lavanda.
                                                                                                Olha só a riqueza dos detalhes.
        Sabonetes das mais diversas formas. Todos os produtos da feira são produzidos em Valensole.                                                                                          
                                                                                  Sabonetes em barras.
              Uma dessas corujinhas hoje faz parte da minha coleção. É essa de côr lilás, cor da lavanda.
                                                                 Passeando pelas barracas e apreciando os lindos trabalhos .
Estávamos com fome e de longe vímos essa fumaceira, e pensei, acho que estão assando churrasco, rsrssss......imagina churrasco na França. Claro que não era, né? Mas era um pouco parecido. Eles assam diversos saucissons. e colocam no meio do pão. Fica uma delícia!!!!!                                                         
Aí está a garota fazendo os sanduíches de saucissons.
                     Enfim, pedimos apenas 4 sauccissons, uauuu....... estava uma delícia !!!!!
                                                                                           Olha só que visual apetitoso!
Nada muito diferente das nossas festas. Agora é hora de dar uma paradinha para saborear essa iguaria e descansar para continuar.
                             Uma garota simpática estava distribuindo lavandas, para quem quisesse levar.
                                                     O sol nasce sempre igual, mas em tons diferentes.
"É uma viagem assim que nos torna mais adultos, é a caminhada consciente rumo ao melhor de nós mesmos"
                                                                   Olhem só essa simetria, de verde e lilás, espetacular !!
A estrada de Saint- Julien para Riez corta um planalto cercado de grandes montanhas, de onde é possível avistar as primeiras formações dos Alpes do Sul. A região é chamada de 
                 Encontramos vários caminhões cheios de lavanda já colhidas ou saindo das destilarias.
        O próximo destino é um dos vilarejos mais peculiares da Provence, Moustiers de Sainte-Marie

O próximo destino é um dos vilarejos mais peculiares da Provence. Moustiers de Sainte-Marie. È uma comuna francesa na região administrativa da Provença-Alpes-Costa Azul, no departamento dos Alpes da Alta Provença.
Antes de entrar em Moustiers passamos por um onde se tem uma vista espetacular do local.
A cidade de Moustiers encravada nas montanhas é realmente espetacular. A pequena cidade fica encravada nas rochas do Canyon do Rio Verdon, e passa dentro dela uma cachoeira, que refresca o lugar.

Moustiers-Sainte-Mairie está na lista dos mais belos vilarejos da França! Com certeza foi um                                                            dos lugares mais lindos da nossa viagem. 
No alto logo acima da capela de Notre-Dame-du-Beauvoir fica a estrela de Moustiers, que deu origem à algumas lendas que tentam explicar sua presença no local. Dizem que a estrela foi dependurada por um cavalheiro cruzado que foi capturado pelos sarracenos no século XII, que fez uma promessa de que se voltasse à sua terra natal, que era Moustiers, ia dependurar uma estrela em homenagem à Maria. Depois disso foram dependuradas mais estrelas, quando uma caía eles colocavam outra em seu lugar. A estrela se se encontra hoje é do ano de 1957. 
Nos séculos X e XI Moustiers sofreu a invasão dos mouros, mas começou a se recuperar já nos séculos XII e XIII, quando casas e fortificações foram edificadas e vários moinhos de água instalados ao longo do rio Adou. A água, um recurso natural abundante e onipresente na região, contribuiu enormemente para a economia da cidade ao longo dos séculos. 


Parte das casas no centro foram transformadas em lojas de artesanato. Onde pode encontrar peças de cerâmicas de Moustiers.
A economia da cidade está no turismo e na produção de cerâmica, uma tradição que teve início já na Idade Média. A cerâmica de Moustiers,ganhou fama internacional. A cidade conta com cerca de vinte ateliês que mantêm acesa a tradição.
                                        A cada lance de escada até a Capela, a vista vai ficando mais bonita.
Quem vem até Moustiers tem de pagar penitência subindo os muitos degraus que levam a Capela de Notre Dame de Beauvoir (beauvoir quer dizer bela vista).
Não vou esquecer nunca esse dia. Quando estava fazendo o roteiro eu achei esse lugar muito mistico e cheio de boas energias, e o meu sonho era chegar até lá encima e consegui. Dois dias antes de estarmos em Moustiers eu havia recebido uma noticia que minha mãe estava muito mal na UTI, e eu fiquei muito nervosa e queria voltar, mas seu médico, falou que não tinha necessidade de voltarmos e que se ela piorasse ele nos avisaria. Mas mesmo assim a partir dali eu não conseguía esquece-la. No dia em que estivemos em Moustiers, estava muito calor. Não sei quantos degraus são, mas são muitos, e eu infelizmente estava com um calçado que não era nada apropriado, principalmente para descer. Mas eu tinha feito uma promessa, e nada me impediria de chegar até a Capela. Eu pedi a Deus não deixasse minha mãe falecer enquanto eu não voltasse para o Brasil. Chegando dentro da Capela eu desandei a chorar e pedi por ela. Foi uma benção, ela esperou eu voltar para nos despedirmos.
Um conselho a quem vai subir esses degraus, a caminhada é longa, não vá de rasterinha, sandálias, chinelos de dedo, pois escorregam. A minha experiencia não foi nada agradável, eu resbalava toda hora. É perigoso, pode se machucar, principalmente quando se está descendo. As pedras são muito lisas. Quer um conselho, o melhor calçado é o tênis. Coloque também roupas confortáveis.
La Chapelle Notre-Dame de Beauvoir 
A Capela foi construída no fim do século XII no local de um templo cristão que já existia em 470 d.C. Ao longo dos séculos foi importante local de peregrinação.
                                                                                                  
                                                                                Descendo
                                                             
                                                                    Restaurante la Cascade

   Capela Medieval, muralhas e fontes tornam o lugar maravilhoso, sem falar da cachoeira que passa       no meio de Moustiers. A paisagem é de uma tranquilidade sem igual.
         Pegamos a estrada mais uma vez para voltarmos a Cabrières D'Avignon, e assim acabou mais um dia na Provence



                             PONT DU GARD E AVIGNON

A ponte do Gard (Pont du Gard em francês) é uma porção de um aqueduto romano situado no sul da França, perto de Remoulins,Uzès e Nimes Trata-se de uma ponte construída em três níveis que assegura a continuidade do aqueduto que trazia água de Uzès até Nîmes na travessia do rio Gardon (também chamado rio Gard). A ponte do Gard foi construída pouco antes da era cristã para permitir que o aqueduto de Nîmes (que tem quase 50 km de comprimento) atravessasse o rio Gard. Os arquitetos e engenheiros hidráulicos romanos que a desenharam criaram uma obra-de-arte técnica e artística.
Esta situada em um parque reconhecido mundialmente. A melhor posição para apreciar e sentir esta maravilha da arquitetura romana é de dentro do Rio Gard, a partir da margem esquerda, entrando pela alameda e passando da ponte tem uma escadaria que nos leva até as areias do rio. Imperdivel, se tiver sorte de ir em um dia ensolarado, mais fantastico será. Lugar para quem esta sem pressa e gosta de sentir a natureza e a grandiosidade das construções antigas.
A Ponte Du Gard é impressionante. Vale a pena ver ao vivo. É fantástico ver uma obra de tal magnitude, que foi construída há mais de 2000 anos, e que ainda está tão bem preservada.
           O dia em que visitamos este lugar o dia estava muito lindo, o passeio foi muito agradável.
   


                                                        Uma maneira francesa de curtir um dia de sol.


                                                                                      Horários e preços
                                                   

                                                                                              AVIGNON
Avignon é uma cidade do sul da França que durante vários anos foi a residência dos papas da Igreja. Ela fica bem no centro da Provence, às margens do Rio Rhône.    
                                                                  Caminhar por Avignon é uma experiência instigante.
O conjunto arquitetônico medieval foi declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco. O seu Palácio é sem dúvida a grande atração e assim que chegamos na praça onde está localizado, admiramos toda a su grandez na dimensão. é o maior e talvez o mais importante edificio de construção gótica da Europa. 
Palácio dos Papas. Place du Palais des Papes. Ingresso: 8,5 euros. Informações no site.
Quem visita o Palais pode entrar em mais de 20 salões e ver exposições e concertos lá dentro. Nós não entramos porque nesse dia estávamos muito cansados, e quando chegamos já era muito tarde.
    Fizemos um bom passeio pelas suas ruas porque sendo pequena não deixa de ser interessante .       
O complexo une uma muralha robusta que circunda to, mais uma catedral, um castelo-museu e o Palais des Papes..A história é curiosa. No início de século 14, os papas da Igreja Católica estavam com problemas políticos em Roma. Dizem que o rei Felipe IV da França conseguiu eleger um papa francês - Clemente V, em 1305- e convencê-lo a levar a sede da Santa Sé para Avignon. Aconteceu. Os papas de Avignon foram sete, em quase 70 anos (1309-1377), todos franceses. Bento XII construiu o Palais em menos de 20 anos, e Clemente VI continuou, transformando a cidade em canteiro de obras. A população passou 5mil para 40 mil habitanyes, e economia se desenvolveu.

Amanhã estaremos em Gordes, Abbadia de Senanque, Fontaine de Valcluse e L'Isle sur le Sourgue. Um dos roteiros mais lindos dessa viagem. Nos acompanhe em Provence - Parte IV.

2 comentários:

  1. Muito bom! Lugares maravilhosos, impressionantes... É um caso a ser pensado. Parabéns pelo trabalho.

    ResponderExcluir
  2. Carlos Armando,esses lugares realmente são maravilhosos, vale a pena conhecer. Tenho certeza que não vai esquecer jamais. Obrigada pelo carinho. Não demore para pensar. Obrigada, bjss

    ResponderExcluir

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search